Histórias para os mais pequeninos

… e para os menos pequeninos …


Um velho carvalho

c

Um velho carvalho

Fecha os olhos e respira profundamente, inspira e expira, inspira e expira. Ouve o som do suspirar e do sussurrar da tua respiração. É um som como o vento a assobiar por entre as folhas de uma árvore. Agora pega na tua lanterna mágica e segue pelo Caminho Encantado. Onde irá levar-te esta noite?

O murmúrio fica cada vez mais alto e encontras-te junto à base de um enorme e velho carvalho. Mas as folhas que esvoaçam ao vento não estão na árvore. Estão no chão, à tua volta, secas e castanhas, avançam e recuam, dançam e caem. Ali, de pé, com a árvore despida, começas a desejar que fosse primavera e não o princípio do inverno.

A árvore é antiga — tem mais de quinhentos anos. Balança suavemente ao vento e tu ouves com atenção. Sim, parece mesmo estar a segredar-te algo.

— Repara na linda forma dos meus ramos — murmura. — Olha para o lindo desenho rendilhado que fazem os meus ramos com o céu em fundo. Continuar a ler


Novo projecto “Das Histórias aos Livros” : envio de obra de leitura extensiva por capítulos

Caro leitor,

se desejar receber, via email, um livro em capítulos semanais, de forma totalmente gratuita, versando temas de interessa social e humano, basta escrever-nos para 

livros [at] contadoresdehistorias . com ou  clubecontadores [at] gmail . com

com a seguinte frase: “Estou interessado em receber o vosso envio semanal”

Votos de boas leituras!


Voando para casa

Félix é um pássaro azul e amarelo proveniente do Brasil que vive com a família Baxter em Nova Iorque. A sua nova casa é uma enorme gaiola colocada junto de uma janela do 40º andar que a família habita.

Félix gosta dos Baxter e os Baxter gostam dele. Alimentam-no, falam com ele e apresentam-no a todos os seus amigos. Mas o pássaro não se sente feliz, porque quer regressar ao Brasil.

Todas as noites, Félix contempla o céu e observa a cidade inteira. Apesar de ser um lugar grande e excitante, não é a sua casa, embora seja o lar da família. O pássaro recorda as luas grandes e amarelas do Brasil, e lembra-se do último dia que passou na selva. Dos dois homens com chapéus brancos, da caixa grande, da longa viajem de avião, e da loja nova-iorquina chamada “O Paraíso das Aves”.
Félix fecha os olhos, deixa de ver a cidade e a neve e, diante de si, surgem as imagens da vida que levava e amava.
Quero ir para junto da minha família, pensa. Quero voar para casa, ir para a selva. Lá faz sempre calor e as árvores são verdes durante todo o ano.
Coloca a cabecita debaixo de uma asa e diz em voz alta:
— Um dia, um dia…
“Um dia” surge duas semanas depois. O Senhor Baxter abre a gaiola para dar de comer a Félix e ouve o telefone tocar.
— Podes atender, George? — pergunta a Senhora Baxter. — Estou a tomar banho.
— Está bem — responde o marido.
Quando o Senhor Baxter vai atender o telefone, deixa a gaiola aberta. Ao ver a oportunidade por que tanto ansiou, o pássaro voa para fora do andar. E, embora o ar seja frio e uma voz chame por ele, Félix não volta atrás. Continuar a ler


O pequeno Pai Natal

Num lugar muito, muito longe, para norte, onde os primeiros flocos de neve caem quando ainda é verão, encontra-se, muito bem escondida, a aldeia onde moram os pais natais. Nessa aldeia, vivia outrora um pequeno pai natal que andava sempre muito impaciente pela chegada do Natal. Ele era sempre o primeiro a ir buscar o seu pinheirinho à grande floresta. Sempre o primeiro a limpar o trenó, a engraxar as botas e a sacudir o fato.
Ainda os outros pais natais pensavam no que iriam levar às crianças, já o pequeno pai natal tinha, há muito tempo, todas as prendas embrulhadas. O que mais gostava de oferecer eram coisas feitas por ele. Conseguia construir todos os brinquedos: carros multicolores, cãezinhos sarapintados, cavalos de baloiço, casas de bonecas… Fazia bolinhos deliciosos, como estrelas de canela e broas de mel… As suas broas de Natal eram as melhores do Mundo inteiro! Depois de embrulhar todos os presentes e cozinhar todos os bolinhos, ficava ansioso pela visita às crianças como nenhum outro pai natal. Contudo, todos os anos era a mesma coisa…
— Não, não podes — dizia-lhe o pai natal chefe, que tomava todas as decisões na aldeia dos pais natais. — És demasiado pequeno!
— As crianças perdiam-se de risos! — comentava um jovem e impertinente pai natal.
— Se o conseguissem ver… — ria-se outro.
— …no seu microtrenó, ah, ah, ah! — gozava um terceiro, rindo alto.
Face a esta atitude, o pai natal chefe, já zangado, sentiu-se tentado a dispensá-los. No entanto, era necessário distribuir tantas prendas naquele ano que não podia deixar de contar com os jovens pais natais. Por isso, limitou-se a fazer um olhar austero e disse-lhes:
— Comportem-se!
Ao pequeno pai natal, disse-lhe que talvez para o ano… No entanto, o pequeno pai natal já não conseguia acreditar nisso. À medida que os outros pais natais partiam em viagem, ele não queria ver ou ouvir nada. Fechou as portadas das janelas e enfiou-se sozinho no seu quarto. Ele não se importava nada com o facto de ser mais pequeno do que os outros. O que o deixava realmente triste era não poder visitar as crianças.
Uma noite, quando reinava o silêncio e tudo estava deserto, saiu de casa. Já que não podia viajar, queria, ao menos, passear um pouco. As estrelas cintilavam, mas o pequeno pai natal não olhava para elas. Algures, lá em cima, andariam os outros pais natais nos seus trenós de renas…
Nesse momento, subitamente, ouviu vozes vindas da grande floresta, onde habitavam os animais. De que estariam a falar, a tal hora da noite?
Naquela ocasião, ser-se pequeno era uma grande vantagem! O pequeno pai natal aproximou-se cautelosamente dos animais, sem que eles dessem pela sua presença. Estavam todos lá: o esquilo, a lebre, o urso, a corça, os ratos… e todos de mau humor.
— Isto está mal — ralhou o urso — os pais natais só ligam às pessoas e aos animais, não!
— Limitam-se sempre aos mesmos — protestou a lebre.
— Sempre foi assim — disse a velha coruja — e receio que essa situação nunca se altere.
Porém, alterou-se, claro está! Mal o pequeno pai natal ouviu a conversa, afastou-se muito silenciosamente dali e correu para casa. Depois de se olhar rapidamente ao espelho e de ter colocado os presentes no trenó, meteu-se de novo a caminho. Só não tinha renas, pois estavam todas em viagem. No entanto, não custava muito empurrar o trenó até à grande floresta.
Nessa noite, os animais fizeram uma festa até então nunca vista na grande floresta. O pequeno pai natal tinha trazido um presente para cada um. O urso resmungão foi o que ficou mais contente: nunca tinha recebido um presente na sua vida. A coruja ficou muito vaidosa: tinha recebido uma camisola nova e era agora, certamente, a ave mais chique da floresta.
Quando os outros pais natais regressaram, o pequeno pai natal dirigiu-se ao chefe e contou-lhe o que tinha acontecido na floresta. O pai natal chefe ficou admirado e nomeou-o “Pai Natal dos animais”.
— Bravo! — diziam os outros pais natais, dando-lhe vivas. Três vezes!
Desde então, o pequeno pai natal é tão importante quanto os mais crescidos… Todos os anos!

Anu Stohner
O Pequeno Pai Natal
Sintra, K editora, 2008


O Natal do burrinho cinzento

Sou um pequeno burro, cinzento e coxo. O meu dono nunca gostou de mim, por isso me fui tornando triste e, por vezes, mau. Com ele peno pelas ruas da Judeia.
Esta noite, fatigados e cheios de pó, chegámos a uma vila chamada Belém. O meu dono instalou-se no último quarto livre da hospedaria. E eu fiquei num pequeno estábulo tranquilo onde já dorme um boi.
De repente, a porta abre-se.
― Isto é um sítio pobre, Maria ― murmura um homem.
― Não te preocupes, José, ficamos bem.
É tão doce esta voz que, pela primeira vez na minha vida, sinto alegria no meu coração. Será que foi um anjo que entrou?
Levanto-me e vejo uma encantadora jovem com um belo ventre redondo. O seu olhar brilha sob um véu bordado, os seus olhos imensos parecem reflectir todas as estrelas do céu. Olha-me e sorri com bondade. Volto a deitar-me a bocejar.
Já dormito quando o grito de uma criança ecoa. É tão forte que parece celebrar a alegria do seu próprio nascimento! Levanto-me com o coração aos pulos. Maria, maravilhada, veste o recém-nascido. José inquieta-se:
― Não terá frio?
Timidamente, aproximo-me e, com o meu bafo, procuro aquecer aquela criança aconchegada no colo da mãe.
Estou orgulhoso por poder fazer isto, eu que não passo de um pequeno burro mal-amado.
Uma estranha claridade invade agora o estábulo. No céu, irrompe o canto de uma multidão de anjos e, no meio de um alegre burburinho, o povo chega, trazido pelos pastores.
Nessa noite tudo se passa como se fosse um sonho. Mas, de manhã, chega o momento que tanto receava.
O meu dono abre a porta e deposita diante da criança um pequeno saco com moedas de ouro; em seguida, faz-me sinal para o seguir. Não me mexo; o meu coração estremece.
― Vamos, ― grita ― avança!
Olho para Maria com ar suplicante… Ela diz com doçura:
― Agradeço-lhe o saco de ouro que ofereceu ao meu filho Jesus, mas o seu burro ser-nos-ia bem mais útil, porque temos ainda um longo caminho a percorrer.
O meu dono hesita:
― Este burro, por vezes, não é nada manso…
Maria sorri para mim, confiante:
― Não tenha medo! ― responde.
Então, o meu dono saúda-nos e sai. O meu coração dá pulos de alegria; sinto vontade de saltar.
Está prometido: não abandonarei nunca Maria, José e o pequeno Jesus. Vou tornar-me bom e doce, porque encontrei alguém que me ama!

Laurence Batz ; Quentin Gréban (ill.)
Le Noël du petit âne gris
In 24 histoires merveilleuses pour attendre Noël
Paris, Ed. Fleurus, 2008
(Tradução e adaptação)


A caminho das estrelas

Há tanto tempo que o pequeno Maximino queria ter um violino! Era o seu grande sonho… E hoje os pais deram-lhe um como prenda de anos…
Que alegria a sua ao ver o instrumento dentro do estojo!
Da prenda da tia Sofia, pelo contrário, não gostou. Um quadro… um quadro que de bonito não tinha nada! Estrelas num céu azul-escuro! No entanto, graças a esse quadro nada bonito, Maximino vai viver uma noite extraordinária, uma noite que nunca mais esquecerá. Mas chiu!… Ele ainda não sabe…
Está neste momento na cama a ouvir um disco com a mãe. Maximino sempre adorou aquele delicioso momento em que ela lhe explica a música em voz baixa.
— Estás a ouvir … agora, os violinos imitam o canto dos pássaros… O compositor chama-se Vivaldi. Escreveu um concerto para cada uma das quatro estações. Escuta bem, é fácil imaginar. Agora é a primavera… A natureza, ainda entorpecida do inverno, é acariciada pelos raios do sol… e começa a despertar lentamente…
Maximino deixa-se levar pelo sono…
— Dorme bem, meu querido! — murmura a mãe baixinho, entre dois beijos. Depois, arruma o violino, que ele quis segurar junto de si até ao último instante, e vai-se embora.
Mas o seu pequeno volta a chamá-la:
— Mamã, o que achas da prenda da tia Sofia?
A mãe olha para o quadro já pendurado na parede em frente da cama e, antes de fechar a porta, diz:
— De dia talvez não pareça interessante. Mas de noite…. Continuar a ler

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 77 outros seguidores