E viva a diferença

diferença 6

Naquele país havia uma cidade.
E nessa cidade havia uma escola.
Nessa escola, havia um recreio.
E, nesse recreio, estava uma criança sozinha: Lucien.
Mas tempos houve em que Lucien tinha um grupo… Até era ele o chefe!
Do seu grupo faziam parte a Anaïs, o Benjamin, a Judith, o Jérôme, o Lâo, o Loïc, o Manuel, a Karina e o Mathieu.
Mas agora já nada é assim.
E querem saber porquê?

Continuar a ler

O dia em que choveram corações

j

O dia em que choveram corações

Certo dia, começaram a chover corações e Cornélia Augusta apanhou um deles.
E depois outro e mais outro.
Como não eram pesados, a menina foi recolhendo mais alguns.
“Devemos estar perto do Dia de São Valentim,” pensou.

Cornélia Augusta decidiu fazer postais com os corações que tinha apanhado.
Observando-os de todos os ângulos, reparou que os corações eram todos diferentes. E pensou logo que postais se adequariam melhor a cada um dos seus amigos. Continuar a ler

Todos os pais são diferentes – Milly e Molly – slideshare descarregável

mil

Era uma manhã de inverno, fria e chuvosa.

Professora Adelaide pediu a todos que tirassem os sapatos molhados e os colocassem junto do aquecedor.

— Vamos, venham aquecer-se — disse ela, esfregando as mãos com força.

Ninguém dera pela falta de Sofia, até que a porta se abriu lentamente. 

Sofia estava toda pingada.

Era difícil perceber se tinha a cara molhada da chuva ou das lágrimas.

— Vem cá, Sofia — disse a professora, com voz suave. — Vamos tirar esse casaco e esses sapatos molhados. — Podes contar o que aconteceu?

— Meu pai fez as malas e saiu de casa — soluçou Sofia.

Professora Adelaide apertou Sofia contra o seu casaco quentinho e disse:

— Vamos falar dos nossos pais. CONTINUAR A LER