A Tia Odete aprende a tricotar – Milly e Molly – slideshare

Tia Odete.jpg

A tia Odete tem a melhor horta do mundo. Todos os legumes que possas imaginar crescem em filas muito ordenadas.

Certo dia, Milly e Molly encontraram a tia Odete junto dos tomateiros. Não conseguia mexer-se e queixava-se muito baixinho. E Milly e Molly foram logo chamar o médico.

— Tia Odete — disse o Doutor Sorriso — a senhora partiu a perna. Daqui a seis semanas já pode andar outra vez.

— Seis semanas! — lamentou-se a tia Odete. — Não posso abandonar a minha horta durante seis semanas! Continuar a ler o slideshare >

Anúncios

Milly e Molly e os barulhos da quinta – slideshare descarregável

Pode ver esta e outras histórias AQUI

os barulhos da quinta

Era Primavera. As ovelhas do senhor Horácio estavam prontas para terem cordeirinhos.
— Acho que a Branquinha vai ser a primeira — disse ela. — Tem de passar a noite no celeiro.
— Não se vai sentir sozinha? — perguntou Milly.
— Nunca — respondeu o senhor Horácio. — Um celeiro é o sítio mais agitado do mundo durante a noite.
— Podemos fazer companhia à Branquinha? — perguntou Molly.
— Podem — respondeu o senhor Horácio — mas não vão conseguir dormir.
Milly, Molly e a ovelha Branquinha aconchegaram-se no feno para passarem a noite.

De quem é este chapéu?

 de quem é

De quem é este chapéu?

Era Verão outra vez.

Milly e Molly tinha terminado o piquenique quando um grande chapéu de palha castanho apareceu a voar pela praia.

— De quem será? — perguntou Milly.

— Anda, vamos descobrir — sugeriu Molly.

Não foi preciso perguntar aos dois meninos que cavavam buracos na areia. Viam-se as pontas dos seus chapéus.

O chapéu de palha não era deles.

Não foi preciso perguntar ao pescador, que estava sentado numa rocha. Ele tinha o boné bem enfiado na cabeça. O chapéu de palha também não era dele.

Não foi preciso perguntar à senhora que estava a encher o cesto com algas. Ela tinha a mão em cima do seu chapéu pois o vento queria levá-lo. O chapéu de palha também não era dela.

Não foi preciso perguntar às meninas que construíam castelos na areia. Elas tinham os chapéus presos com uma fita debaixo do queixo. O chapéu de palha também não era delas.

Não foi preciso perguntar às pessoas que apanhavam sol e mexiam os pés. Estavam debaixo de um grande chapéu-de-sol e não precisavam de proteger a cabeça. O chapéu de palha também não podia ser delas.

Não foi preciso perguntar ao senhor de bengala. Ele tinha o cabelo revolto a sair debaixo do seu gorro. Não era dele.

Não foi preciso perguntar aos surfistas. Eles tinham creme no nariz e os cabelos ao vento. De certeza que não era deles.

E dos quatro mergulhadores?

Na areia estavam quatro pares de botas mas apenas três chapéus!

Será que o chapéu de palha era de um deles?

Milly e Molly colocaram o grande chapéu de palha por baixo do quarto par de botas e correram para junto do seu cesto de piquenique.

No caminho para casa, passaram por várias pessoas, umas com chapéu, outras sem chapéu.

— Espero que tenhamos encontrado o dono certo — disse Milly.

Gill Pittar
Milly Molly – Tomo II
Rio de Mouro, Everest Editora, 2006