Lúcio e as estrelas

estrela-homem-1

Diz uma lenda que, na Terra de Cristal, vivia um povo que falava com as estrelas. Os anciãos ensinavam as crianças desde pequeninas a comunicar com elas, não por palavras, mas através do pensamento. Mesmo que gritassem, os habitantes das estrelas não podiam ser ouvidos, por ficarem muito distantes; mas os pensamentos, esses chegavam, porque para o pensamento não há distância.

Na Terra de Cristal, quando uma criança fazia sete anos, celebrava-se sempre uma grande festa. A criança escolhia uma estrela: essa seria a sua estrela. A partir desse dia, devia localizá-la no céu e, à noite, começava a enviar mensagens aos seus habitantes. Devia fazê-lo todas as noites, para que os habitantes dessa estrela reconhecessem o “som” dos seus pensamentos, tal como na Terra de Cristal cada pessoa é reconhecida pelo som da sua voz.

Lúcio sentia-se um tanto nervoso: nessa noite teria a sua grande festa e iria escolher a sua estrela. Ia ter de mostrar que aprendera tudo o que os anciãos lhe ensinaram.

— Como te sentes? – perguntou-lhe Cristóvão, o seu professor.

— Um pouco nervoso. Não sei se serei capaz de fazê-lo bem – respondeu Lúcio. — E também não sei o que hei de dizer aos habitantes da estrela.

— Ainda tens tempo para pensar nisso. No primeiro dia, deves apenas apresentar-te, dizer o teu nome e como és. Aconselho-te a não falares muito. Eles têm de familiarizar-se contigo aos poucos.

— O Sr. Professor ensinou-me a transmitir os meus pensamentos às estrelas, mas não me ensinou a receber os delas. Como vou saber que me ouviram?

— Perguntas bem, Lúcio — respondeu o professor. — Ensinar-te-ei isso no devido tempo, à medida que fores pondo em prática o que aprendeste até agora. Lembra-te que quando as tuas mensagens lá chegarem, virá um sinal luminoso semelhante a um brilho intermitente e a tua estrela vai começar a cintilar com uma luz azulada.

— E se não responderem?

— Isso significa que a tua mensagem não chegou.

Lúcio ficou pensativo: via toda a aldeia ali reunida a olhar para o céu à espera do brilho azulado e este sem aparecer… O professor, que ouvia os seus pensamentos, sorriu e disse-‑lhe:

— Lúcio, confia em ti. Se duvidares de ti, essa dúvida vai provocar uma grande debilidade na tua mente e, assim fracos, os teus pensamentos não chegarão à tua estrela. Porém, se tiveres confiança e não duvidares das tuas capacidades, o teu pensamento será potente como a luz de um grande foco e chegará sem qualquer impedimento à tua estrela.

 Lúcio compreendeu que essa noite tão especial iria provar se ele realmente confiava em si próprio!

Quando o sol se pôs e a primeira estrela despontou no céu, os habitantes da Terra de Cristal foram saindo de casa e dirigiram-se ao local da celebração. Lúcio vestira-se com roupa especial para o evento: una túnica de linho branco que lhe chegava até aos joelhos, uma fita amarela com um desenho bordado atada em volta da testa e, na mão direita, levava uma varinha de cristal de quartzo. À hora indicada, o professor, colocando-se junto dele, disse-‑lhe:

— Lúcio, chegou a hora: fizeste sete anos e preparámos-te para este momento. Esta noite vais escolher a tua estrela e mandar aos seus habitantes a tua primeira mensagem. Sabes que as palavras não chegam lá, mas os teus pensamentos, se forem suficientemente potentes, chegarão. Diz, já escolheste a tua estrela?

— Sim, aquela ali! — respondeu, indicando com a vara de cristal de quartzo a estrela que elegera.

— Muito bem, Lúcio. Deves saber que essa estrela pertence ao sistema de Arcturus. Já podes enviar a tua mensagem, quando quiseres.

Lúcio fechou os olhos, concentrou-se e enviou os seus pensamentos para a estrela, repetindo mentalmente cada uma das palavras. Todos os habitantes da Terra de Cristal olhavam para a estrela escolhida, à espera do brilho azulado. Mas o sinal não vinha. O tempo ia passando e o sinal sem vir… As pessoas impacientavam-se e falavam em voz baixa. Então Cristóvão aproximou-se e murmurou-lhe ao ouvido:

— Lúcio, imagina que se encontra lá o teu melhor amigo. Sabes que não podes mandar-lhe uma carta nem falar com ele. Pensa nele com todo o teu coração, diz-lhe o que quiseres. Do fundo do coração, sem forçar a mente.

E Lúcio assim fez. Foi então que começou a sentir um grande calor no peito… De repente, as pessoas que olhavam para o céu soltaram uma grande exclamação. Lúcio abriu os olhos e viu, fascinado, a sua estrela irradiar uma linda luz azulada e dentro da sua cabeça ouvia: Somos os teus amigos de Arcturus. Estamos contentes por te conhecer. A partir de hoje iremos ensinar-te o que nós aprendemos, para que, quando chegar a ocasião, tu o ensines aos habitantes da Terra de Cristal. Todos aplaudiram Lúcio, que permanecia calado, enquanto escutava os seus novos amigos das estrelas.

B. I.

Advertisements