As duas casas de Josefa

anna-emilia-1-1-m

A campainha da escola já tocou. Começaram as férias. No recreio, Manuela, Carolina e Josefa falam do verão que se avizinha. Qual delas irá ter as melhores férias? Quem irá ter a casa mais bonita?

— Este ano vou para a Bretanha — disse a Manuela. — Vamos andar de barco, e talvez façamos esqui náutico.

— Este ano passamos o verão no sul de França — conta Carolina.

Josefa fica calada. Este ano, pela primeira vez, irá passar o verão entre duas casas: a da mãe e a do pai.

A mãe decidira:

— Como o pai e eu já não nos entendemos e estamos sempre a discutir, irás passar este verão em duas casas diferentes: a casa azul, do teu pai, e a casa amarela, a nossa.

A mãe acariciou docemente os cabelos de Josefa.

— Vou dizer-te uma coisa: apaixonei-me. Encontrei uma pessoa de quem gosto muito.

Josefa suspira e sonha. No ano anterior também ela podia dizer “Vamos. Vamos os três a Itália, a Roma.” Mas, este ano, tudo mudou.

Na casa amarela, cheia de sol, haverá risos e luz, e paredes brancas, frescas e grandes. E na casa azul? O pai, com os seus livros, barcos e sonhos para ajudar a esquecer a mãe. Quando pensa nisso, Josefa fica com o coração pesado.

Carolina acorda-a do seu sonho.

— E tu, Josefa? O que vais fazer este ano?

Josefa sorri.

— Eu? Este ano vou passar as férias em duas casas. Primeiro, vou passar uns dias na casa azul, junto ao mar, na Grécia. Depois, apanho o avião e vou para a casa amarela, onde vive a minha mãe. Vou conhecer uma nova amiga: a filha do namorado da minha mãe.

— Duas casas de férias! Dois aviões! Uma nova amiga! Tens muita sorte!

— Lá isso tenho. E sabem porquê? Porque faço coisas diferentes com cada um deles. Com a minha mãe, faço escalada, ando de bicicleta e caço borboletas. Com o meu pai, leio livros interessantes e ando de barco. O meu pai é um verdadeiro marinheiro.

— Tens mesmo sorte! — decretou a Carolina.

Josefa sorri. De facto, por que razão não teria ela sorte?

Sonha então com a casa azul e com a casa amarela. E com as duas juntas. Josefa pensa que se misturarmos azul e amarelo ficamos com verde. Verde como a esperança. Ninguém pode tirar-lhe a casa verde que habita o seu coração e na qual Josefa adormece.

S. C.

Advertisements