A estátua no parque

jardim regador mm

Fecha os olhos e imagina-te num parque. Mas, espera! Este é um parque onde tudo está em desordem e parece que ninguém cuida dele. Achas que alguém brinca neste parque? Vamos ver se descobres! Pega na tua lanterna mágica e segue pelo Caminho Encantado. Onde irá levar-te esta noite?

A lua está clara e brilhante e as estrelas cintilam por cima de ti. Vês uma grande confusão de heras enroladas que se arrastam pelos muros desfeitos à volta do parque. Plantas com aspeto gasto crescem entre as pedras partidas do pavimento e o lago está todo sujo e castanho. No fim do caminho vês uma estátua. Diriges-te até ela.

A estátua representa uma mulher vestida com roupa antiga. Tem um vestido comprido e um grande chapéu de pedra que aperta debaixo do queixo. Numa mão segura um cesto raso de jardim. A pedra em que foi esculpida ficou castanha com o tempo e há musgo a crescer por todo o lado. Por baixo da estátua está escrito: VIOLETA DICKINSON: JARDINEIRA: 1810-1895.

O rosto da mulher tem uma expressão bondosa e quando a fitas parece que te sorri. Olhas e logo voltas a olhar. Para teu espanto, os seus olhos começam a piscar e as suas faces passam lentamente de pedra a cor-de-rosa. Um por um, os seus dedos começam a mexer, depois os braços, a seguir as pernas. A estátua ganha vida! O vestido de pedra está a transformar-se em roupa verdadeira. Agora ela tira o chapéu — é de palha e já não de pedra! — e afasta o musgo. Olha cá para baixo, para ti, e volta a sorrir.

— Olá — diz ela — o meu nome é Violeta. E tu, como te chamas?
De seguida, salta cá para baixo.

— Não creio que me vás ajudar hoje, pois não? Tenho muito trabalho.

Deve ser trabalho duro, pensas tu. Em vez disso, talvez pudesses apenas passear pelo parque.

— Ah, entendo — diz a Violeta. — Deves preferir ir brincar.

Olhas para a sua cara — parece desiludida. Afinal, talvez nem seja assim tão mau ajudá-la.

Então, vão juntos pelo caminho até uma antiga cabana.

— Espera aqui — diz Violeta, enquanto entra. Um pouco mais tarde volta a aparecer, trazendo consigo um grande saco de ferramentas. Passando por um arco coberto de rosas cheirosas, leva-te até uma parte do parque que ainda não tinhas visto. Aqui o jardim está bonito e cuidado.

— Adoro este parque — diz a Violeta. — É a minha casa e quero que fique tão bonita como quando eu era criança. Para isso esforço-me todas as noites. Isto foi o que consegui até agora. Mas ainda há muito por fazer. Vem, vou mostrar-te.
Juntos voltam à parte em ruínas do parque. Aqui a Violeta tira as ferramentas do saco. Há utensílios para escavar, para tirar ervas daninhas e plantar, para aparar e para cortar. Para tua surpresa há latas de tinta e alguns pincéis também.

Rapidamente, Violeta começa a arrancar as ervas daninhas, voltando a deixar os caminhos descobertos e a revolver a terra com o seu grande ancinho. Ajudas passando-lhe os utensílios de que precisa e colocando de volta no saco os que já foram usados. Alguns ficaram bastante sujos mas, assim que os colocas no saco, voltam a ficar brilhantes e novos.

Agora Violeta abre um saco de sementes. Juntos, põem-se de joelhos e espalham-nas pela terra. De cada semente que toca na terra cresce rapidamente uma planta com folhas verdes e um botão que desabrocha dando origem a mais bela flor. Rapidamente a terra fica cheia de alegres flores.

De seguida, Violeta caminha até ao lago sujo e castanho. Tira uma garrafa do seu saco, abre a tampa e deita um líquido prateado na água. Num jorro e gorgolejo, a água começa a borbulhar. Depois passa a azul-clara. Uma família de patos vem a nadar dos juncos e mergulha feliz na água limpa.

Agora Violeta leva-te até ao parque infantil, onde todos os baloiços estão quebrados e enferrujados. Ela pede-te que vás buscar um baloiço à cabana. Mas será que o consegues levantar? Não será demasiado pesado para ser transportado? Mas apercebes-te de que é leve como uma pena.

Quando voltas, todos os baloiços estão brilhantes e novos. Ajudas Violeta a colocar o novo baloiço no meio. Depois, juntos, afastam-se e admiram o novo parque infantil. É o melhor parque infantil que já alguma vez viste na tua vida.

— As crianças vão adorar brincar aqui! — diz Violeta, enquanto o céu começa a clarear e a noite dá lugar ao dia. Regressa depressa para a cabana, o seu trabalho está feito. Volta a subir ao seu pedestal e olha em redor, feliz.

— Está tudo tão bonito! — diz ela com orgulho. Volta, então, a ser de pedra.
A sua cara, pernas e mãos endurecem e transforma-se novamente numa estátua. Olhas pela última vez para o que fizeram juntos. Então, sais do parque sem fazer barulho, nas pontas dos pés. Talvez voltes um dia para visitar Violeta e brincar no novo e resplandecente baloiço do parque infantil.

❁ ❁ ❁

Reflexões

❁ Podes demorar a terminar uma tarefa mas no fim vai valer a pena — por isso não desistas antes do tempo.

❁ Quando decides ajudar alguém, podes pensar que vai ser aborrecido, ou até difícil. Mas muitas vezes torna-se divertido.

❁ Se cuidarmos todos da Natureza, o mundo será um lugar muito melhor para vivermos.

❁ Fazer algo especial ou bonito para que outras pessoas fiquem felizes faz-te a ti também sentir feliz.

 

Anne Civardi, Joyce Dunbar, Kate Pety, Louisa Somerville
Dorme Bem
Lisboa, Editorial Estampa, 2008