A casa de Baltasar

coelho 5 m red

O coelho Baltasar e a sua esposa viviam, como todos os coelhos, numa toca à beira de um lago. O que se compreende porque, como são animais um pouco medrosos e tímidos, é debaixo da terra que se sentem mais seguros, especialmente quando há mau tempo, tempestades, trovoadas, frio. Continuar a ler

Anúncios

A história do menino distraído

menino a voar m

“Distração” significa estar longe de si, como se fôssemos outra pessoa…

Um dia, conheci um rapazinho muito distraído. Parecia um besouro, sempre de nariz no ar. Esquecia-se de tal forma do que se passava à sua volta, que até se esquecia de que tinha um corpo. Borboleta que passasse, nuvem em forma de Pai Natal que planasse, e ei-lo a segui-las, de nariz ao vento e de sorriso nos lábios. Continuar a ler

A casa de madeira

rato casa m

Pelo inverno, a rata Alina ouvira dizer que o seu bom velho amigo, o texugo Norberto, morava agora numa casa algures na montanha. Há muito tempo que Alina não via Norberto. Nos últimos dias, desde que a neve começara a cair, Alina pensava muito nele, na sua agradável voz resmungona, na sua presença calorosa e reconfortante e na sua grande coleção de livros, que ele muitas vezes lhe lera. Continuar a ler

Alexandre

crianças sabão m

Era uma vez um menino chamado Alexandre que tinha um problema: quando estava a brincar, todas as crianças que andavam por perto também queriam brincar com os seus brinquedos. Se o Alexandre estivesse a brincar com um carrinho, lá vinha a Mariana a chorar e a pedir o carrinho. Mas, se o Alexandre se interessava pela bola, a Mariana mudava logo de ideias. Cansava-se do carrinho e dizia que queria… adivinhem o quê?… A bola! Continuar a ler

A Bolsa Amarela – Obra de leitura seguida

menia lápis escrever m

A Bolsa Amarela é a história de uma menina que entra em conflito consigo mesma e com a família ao reprimir três grandes vontades (que ela esconde numa bolsa amarela) – a vontade de crescer, a de ser garoto e a de se tornar escritora. A partir dessa revelação – por si mesma uma contestação à estrutura familiar tradicional em cujo meio “criança não tem vontade” – essa menina sensível e imaginativa nos conta o seu dia a dia, juntando o mundo real da família ao mundo criado por sua imaginação fértil e povoado de amigos secretos e fantasias. Ao mesmo tempo que se sucedem episódios reais e fantásticos, uma aventura espiritual se processa, e a menina segue rumo à sua afirmação como pessoa. Continuar a ler