A história de uma gota de água

foto borboleta gota m

Uma gota de água que tinha permanecido longo tempo adormecida debaixo da terra sentiu de súbito um impulso que a obrigou a vir à superfície e, sem saber como, encontrou-‑se, de repente, no exterior, num lugar desconhecido para ela.

Muito assustada por estar num mundo novo, ao assomar por cima de uma folha viu que outras gotas de água como ela a acompanhavam, todas a querer sair quanto antes e a empurrar-se. Juntas formavam um fiozinho de água que deslizou serpenteando, saltando de rocha em rocha por entre as árvores de um bosque.

— Porque deixei de ser uma gota de água especial? Agora já não me diferencio em nada das outras gotas… — disse em voz alta.

— Porque agora és uma gota de água de um manancial — disseram-lhe as flores que cresciam nas beiras do regato. — Obrigado por nos ajudares a crescer.

A gota de água não disse nada, mas achou que ser manancial não era assim tão mau: as flores até lhe agradeciam…

Continuou a deslizar por entre árvores e rochas observando como, pouco a pouco, mais gotas de água se juntavam a ela.

— Porque há cada vez mais gotas de água? — interrogou-se em voz alta.

— Porque agora já não és um manancial. Principias a ser um verdadeiro rio — responderam-lhe as árvores. — Obrigado por nos ajudares a crescer.

Já não era uma gota de água, já não era uma nascente, agora era um rio. Não sabia muito bem ainda o que significava ser rio, mas sentiu uma força que antes não tinha, e que a empurrava para a frente, embora sem saber bem para onde.

O rio agora fluía com suavidade por um formoso vale cheio de flores, vacas e ovelhas a pastar em silêncio, e a gota de água ficou extasiada diante daquela paisagem tão bonita.

As vacas aproximaram-se e ela pôde vê-las de perto. Disseram-lhe:

— Obrigado, rio, por nos dares de beber e ajudar-nos a crescer.

— Eu nada faço. Não têm que me agradecer — respondeu-lhes a gota de água.

— Fazes e muito. Tu que, formas um rio em conjunto com as outras gotas, regas todo o vale para podermos ter muita erva para comer e, além disso, dás-nos de beber sempre que necessitamos. Achas que é pouco?

A gota de água sentiu-se muito feliz por ser um rio e que as flores, as árvores e o gado estivessem tão gratos… E lá continuou o seu caminho, abandonando aquele formoso vale. Ao fim de algum tempo, viu-se num lugar rodeado de casas, de carros, de ruídos de gente e buzinas: estava a passar por uma cidade e isso era também novidade para ela. Viu pontes por onde passavam pessoas e admirou-se muito por o rio aí correr mais devagar, mas com muita força.

Umas pessoas abeiraram-se da margem do rio e disseram-lhe:

— Obrigado por nos deixares apanhar alguns dos peixes que levas. Pelo menos hoje podemos comer.

E uma criança disse:

— Obrigado, rio, gosto de te ouvir porque alegras a nossa cidade com os teus murmúrios.

A gota de água voltou a sentir-se grata e contente com o que lhe diziam. Ao longo do caminho, às vezes tinha tido medo, sobretudo quando o rio começou a ir tão depressa que até saltava por cima de enormes pedras; noutros momentos sentiu tranquilidade, quando o rio formava remansos ou se alargava. Depois de muito, muito tempo, viu diante dos seus olhos uma coisa surpreendente: milhares e milhares de gotas de água como ela juntavam-se aí, as margens do rio tinham desaparecido e já não sabia onde estava. Confusa por desconhecer o que era aquilo, ouviu a voz de uma criança:

— Obrigado, que vontade eu tinha de te ver!

— Em que sítio estou? Nunca o vi! — perguntou a gota de água.

— Não te assustes, é o mar. Obrigado por me deixares nadar, mergulhar e brincar com as tuas ondas.

E gostou muito de ser mar, por tudo ser muito variado e divertido: havia muitos peixes diferentes, algas e plantas aquáticas de cores vistosas. Um dia de verão, quando já se tinha acostumado a ser uma gota de água do mar, começou a ficar nervosa. Pelo horizonte abeiravam-se muitas nuvens e uma delas perguntou-lhe:

— Não queres vir connosco? Levamos-te para longe daqui e, lá de cima, onde nós vivemos, poderás ver maravilhas que nunca viste.

— Bem, já sei o que é ser nascente, rio e mar. Vou experimentar agora ser nuvem, a ver se gosto…

Uma nuvem deu a mão à gota de água e juntas subiram, subiram muito alto, ajudadas pelo vento.

— Obrigado por me ajudares a crescer e a fazer o meu trabalho — disse-lhe a nuvem.

E a gota viu, lá de cima, coisas que nunca imaginara. Sentiu-se bem sendo nuvem, até que um dia teve frio, muito frio, e a nuvem disse:

— Parece-me que a temperatura está a baixar. Talvez te transformes em neve!

— Em neve? Isso o que é? — A gota de água começou a ficar inquieta.

— Não te preocupes, eu deixo-te cair com muito cuidado. O vento encarrega-se de te levar para o cume de alguma montanha.

Tal como dissera a nuvem, pela primeira vez na vida sentiu-se a voar… e gostou. O vento pousou-a suavemente no cimo de uma montanha onde ouviu alguém a dizer:

— Obrigado por vires. Lá diz o ditado: «Em ano de neve, ninguém deve».

— Quem és tu?

— Eu sou a montanha. Graças a ti muita gente virá visitar-me e deslizar pelas minhas encostas. E, na primavera, quando o sol principiar a aquecer, vais-te transformar em água e ajudarás a crescer as flores que agora estão adormecidas.

A gota de água sentiu-se muito bem sendo neve e a ver tanta gente divertir-se. Até que a primavera chegou.

E um dia, o sol começou a dar calor à montanha e a neve derreteu-se e tornou-se outra vez água. A gotinha sentiu então vontade de correr. Deslizou suavemente pela encosta, vendo de passagem como algumas plantas acordavam e se vestiam de bonitas cores. Chegou a um bosque. E aí sentiu sono.

Escondeu-se debaixo de uma folha e adormeceu, enquanto ia recordando o escuro, a nascente, o rio, o mar, a nuvem, a neve…, e a todos quantos, ao longo da sua caminhada, lhe tinham dito “Obrigado!”

Begoña Ibarrola
Cuentos para sentir 2: Educar los sentimientos
Ediciones SM, 2003, Madrid
(Tradução e adaptação)

Advertisements