Um velho carvalho

c

Um velho carvalho

Fecha os olhos e respira profundamente, inspira e expira, inspira e expira. Ouve o som do suspirar e do sussurrar da tua respiração. É um som como o vento a assobiar por entre as folhas de uma árvore. Agora pega na tua lanterna mágica e segue pelo Caminho Encantado. Onde irá levar-te esta noite?

O murmúrio fica cada vez mais alto e encontras-te junto à base de um enorme e velho carvalho. Mas as folhas que esvoaçam ao vento não estão na árvore. Estão no chão, à tua volta, secas e castanhas, avançam e recuam, dançam e caem. Ali, de pé, com a árvore despida, começas a desejar que fosse primavera e não o princípio do inverno.

A árvore é antiga — tem mais de quinhentos anos. Balança suavemente ao vento e tu ouves com atenção. Sim, parece mesmo estar a segredar-te algo.

— Repara na linda forma dos meus ramos — murmura. — Olha para o lindo desenho rendilhado que fazem os meus ramos com o céu em fundo.

Encostas-te, descontraído, ao grande tronco da árvore cheio de nós e sentes-te seguro e feliz.

Abres os olhos. Tudo mudou. A árvore está coberta de folhas brilhantes. Voam pássaros pelos ramos, o sol reluz por todo o lado, criando sombras que se movem, ligeiras, à tua volta. O mundo parece agora tão brilhante e movimentado que quase desejas que a espessa folhagem do verão te venha proteger deste sol ofuscante. Novamente, parece que a árvore te sussurra:

— Olha para a vida nova que há nos meus ramos — as folhas abrem e os pássaros saem dos ovos. Com toda esta atividade, começas a sentir-te cansado e as tuas pálpebras começam a fechar-se. Quando voltas a abrir os olhos, estás debaixo de uma sombra verde e fresca. Tudo é verde. Mas assim que começas a querer mais cores, a antiga árvore volta a segredar-te.

— Sentes esta paz? Deixa-te estar, relaxa e espera que as sementes amadureçam.

O calor do sol do verão faz-te adormecer rapidamente.

Agora o vento volta a soprar por entre as folhas. Desta vez silva e uiva. Bem acordado, começas por pensar que a árvore está a arder! Tem as cores do fogo — vermelho dourado e cobre — e balança como um navio numa tempestade. Caem a teus pés bolotas maduras. Pegas numa e observa-la de perto. Podia ser um pequenino ovo dourado numa taça para ovos. Não precisas que a árvore te diga agora como tudo está bonito — podes ver por ti mesmo. Mas voltas a ouvir o sussurro.

— Todas as estações são maravilhosas — diz a árvore. — Aproveita cada uma delas. Leva a bolota e planta-a. Sê paciente, porque levará muitas primaveras e verões, outonos e invernos até se tornar uma árvore grande como eu.

Agora, visualiza-te a plantar a bolota. Achas que a tua árvore vai viver quinhentos anos?

 

***

Afirmações

  • Procura o melhor no que te rodeia. Geralmente, há algo que te satisfaz. Não desejes sempre algo diferente daquilo que tens.
  • Se fores paciente, notarás mudanças incríveis na Natureza, que acontecem muito lentamente.
  • Se plantares agora uma semente estás a fazer algo para o futuro.
  • Há uma máxima que diz que “A idade traz a sabedoria”, o que significa que quanto mais cresceres mais sábio irás ficar.

Anne Civardi, Joyce Dunbar, Kate Pety, Louisa Somerville
Dorme Bem
Lisboa, Editorial Estampa, 2008

Anúncios