Micha e o mistério da Páscoa – A favor ou contra Jesus? (IV)

Anterior: Micha e o mistério da Páscoa – Em casa dos avós (III)

A favor ou contra Jesus?

Durante a refeição, pouco se falou. Mas Micha sentia claramente que aquela calma era aparente. Era como a atmosfera antes de uma tempestade.

Quando as mulheres levantaram a mesa, o silêncio era quase insuportável. Josha olhava em volta, calado, olhava um após outro e finalmente dirigiu-se a Tomás, o genro.

— Estamos muito contentes por ter-vos finalmente connosco — disse ponderadamente. — A ti, à Marta e aos vossos dois filhos.

E pigarreou.

— Ouvi dizer que vocês, em Canã partiram precipitadamente e abandonaram tudo.

— O meu irmão e os meus pais estão a tomar conta das nossas coisas — respondeu Tomás calmamente.

— Vocês vieram mesmo com esse filho de um carpinteiro de Nazaré? — continuou Josha.

— Sim, com Jesus — respondeu Marta.

Agora era David que não conseguia manter-se calmo mais tempo.

— Esse Jesus é um falso profeta, Tomás! — exclamou, inclinando-se para a frente. — Ele blasfema contra Deus!

— Foi Deus quem no-Lo enviou. Só faz o que Deus lhe manda — respondeu Tomás.

Josha interrompeu-o com uma voz cortante.

— E Deus pede-lhe que entre em Jerusalém como um rei? Como se fosse o Messias de quem estamos à espera há anos?

— Ele é o Messias.

— Quem é que disse isso? — Josha levantou-se agitado.

— Ele próprio — respondeu agora Marta.

— Ele blasfema contra Deus.

O velho deixou-se cair pesadamente no lugar. Respirava furioso.

— O Messias há-de salvar-nos e libertar-nos. É o próprio Deus que no-Lo vai enviar. Não acreditas no que dizem as nossas antigas escrituras, Marta?

— Eu acredito e confio em Jesus — respondeu Marta, olhando o pai firmemente nos olhos.

— Eu também — diz Daniel.

— Ele blasfema contra Deus, quebra as leis! É um falso profeta! — diz Josha em tom de lamento, enterrando a cabeça nas mãos.

— Ele é o rei do céu e da terra — diz Tomás em voz alta. — Veio a Jerusalém para a festa da Páscoa e vamos todos ver como ele se apresenta como rei e Messias.

— Ele vai atirar-nos a todos para a perdição! — disse Josha, levantando-se. — Deixa-me — disse ele, rejeitando Marta, que queria segurá-lo.

— Pai!

— Deixa-o ir — disse Mara calmamente, detendo Marta. Josha já tinha deixado a sala. — Quer estar sozinho. Vai reflectir naquilo que vós lhe dissestes.

— O que é que Jesus quer provar-nos, aqui em Jerusalém? — pergunta Jonatan.

— Ele também disse que tem de morrer — Micha ouviu claramente a voz da tia a tremer.

— A minha irmã tinha de se deixar enganar por um falso profeta — exclamou David, batendo com o punho na mesa.

— Meninos — a voz amedrontada de Mara soou no meio deles. — Hoje não vamos discutir por isso. Hoje, que estamos todos juntos em casa, após tanto tempo.

E começou a chorar. Rute abraçou-a.

— Como é que ele quer provar que é o profeta? — pensou Rute em voz alta.

— Devia-se obrigá-lo a isso — observou Jonatan. — Pelo menos foi o que disse um dos discípulos que eu encontrei há pouco.

— Quem é que encontraste? — perguntou Tomás.

— Ele ia contigo esta manhã atrás de Jesus. Acho que se chama Judas.

— Também o conheço — Rute olhou para a irmã. — Não era aquele com a caixa do dinheiro, que encontrámos esta manhã?

Marta acenou com a cabeça. Depois pôs-se em pé com um salto.

— Oh! Eu tinha prometido ajudar. Temos de preparar a refeição para a festa desta noite!

Tinha chegado o momento certo para as crianças.

— Levas-nos contigo? — pediram. Após uma curta hesitação, Marta consentiu.

— Também vou — gritou Jonatan. — As mesas têm de ser armadas e de certeza que ainda há muito para fazer. Toda a ajuda vai ser precisa e duas mãos de homem, de certeza absoluta — e fez um sinal com a cabeça à mulher. — Eu trago os três quando vier para casa. Vá, vamos.

O pai de Micha dirigia-se para a porta.

Nesse momento, David levantou-se e agarrou Jonatan com força pelo braço.

— Queres mesmo ir, Jonatan? — perguntou-lhe. — Agora também andas a correr atrás desse falso profeta? Também já te convenceu a isso? Até ontem tinhas estado do nosso lado, vociferaste em voz alta contra todos os que quebram as leis e deste razão aos nossos doutores de leis e aos altos sacerdotes.

O tio David falava cada vez mais alto.

Jonatan libertou-se da sua mão, aborrecido. De um momento para o outro ficou vermelho de fúria.

— Quero ser eu mesmo a fazer uma ideia desse Jesus — disse — e isso só é possível se o conhecer de mais perto e souber mais coisas sobre ele. Talvez seja um falso profeta mas, se calhar, é mesmo o Messias. Eu quero descobrir por mim.

Micha ficou parado ao lado do pai, assustado. Nunca tinha visto o pai e o tio David discutirem. Gostava tanto do pai! E como adorava o tio! E ainda por cima tinham começado a discutir por causa de Jesus. Pegou na mão do pai e quis puxá-lo dali para fora.

— Papá — queixou-se, assustado.

David viu então como Micha estava infeliz.

— O teu pai tem razão — disse ele, e a voz soava tão afável como sempre — Observai esse Jesus com mais atenção. E depois voltamos a falar.

— Tudo bem — disse Jonatan, tentando fazer de conta que não tinha acontecido nada. — Então até logo! — e saiu depressa atrás dos outros, levando Micha pela mão.

Segue: Micha e o mistério da Páscoa – Um novo dia (V)

Rolf Krenzer
Micha und das Osterwunder
Stuttgart, Gabriel Verlag, 2003
Traduzido e adaptado