O Presente

O Presente

 De todos os ovos da Páscoa que Jacob pintou com cascas de cebola, sobrou um, o mais bonito. Jacob corre a casa de Catarina para lho mostrar. Catarina está no pátio a deitar nas floreiras sementes de salsa.
— Cati, Cati! — grita Jacob — Olha! Nunca viste um ovo tão bonito como este!
— Olha tu! — grita Catarina, mas Jacob já tinha tropeçado na pá e no saco da terra. O ovo cai-lhe das mãos e parte-se.
— Que pena! — diz Catarina. — Devia ser um bonito ovo!
— Oh, o ovo mais bonito de todos! — lamenta-se Jacob. — Ah… estou tão zangado! Gaquicravutchi! Gaquicravutchi!
— O que é que estás para aí a dizer? — pergunta Catarina enquanto apanha do chão o ovo partido.
Gaquicravutchi — responde Jacob. — Acabei de inventar esta palavra para fazer desaparecer a minha raiva.
Gaquicravutchi… Tem graça… — diz Catarina.
— Podes ficar com ela, se quiseres – diz Jacob.
— Ofereço-ta. A tua mãe ralha sempre contigo de cada vez que dizes “porcaria”.
— Ofereces-me a tua Gaquicravutchi?
— Podes dizê-la sempre que estiveres zangada — responde Jacob.
Catarina fica a pensar.
— Também tenho uma prenda para ti, Jacob… mas tens de fazer pouco barulho. Anda!
Leva Jacob até à cerca e aponta para o pátio do vizinho.
— Baixa-te, que já vais ver — murmura.
Jacob dobra-se e olha na direcção do indicador de Cati e vê um pequeno arbusto de glicínias. Na bifurcação de um dos ramos está um ninho com um passarinho a chocar os ovos.
— Descobri-o hoje — diz Catarina. — E agora tu também já sabes onde ele está. Esta é a minha prenda para ti.
— Obrigada! É uma prenda bonita de se ver!

Tradução e adaptação
Lene Mayer-Skumanz (org.)
Jakob und Katharina
Wien, Herder Verlag, 1986