Tira o dedo do nariz – J. J. Letria

Não posso voltar a fazer estas asneiras…

Tira o dedo do nariz

Por vezes a distracção
não permite que repares
no que fazes de errado
se estás em certos lugares.

Anda a mão a passear
sem ouvir o que se diz
e de repente está o dedo
enfiado no nariz.

Esse gesto, além de feio,
nada tem de asseado;
seja qual for o dedo,
é melhor estar sossegado.

O nariz não é abrigo
em que o dedo deva estar
e se fores seu amigo
bem o deves controlar.

E para veres a figura
que às vezes estás a fazer
repara nos condutores
que modos não sabem ter.

Lá estão eles nos sinais
à espera que o verde caia,
à procura de um “presente”
que do seu nariz lhes saia.

José Jorge Letria
Porta-te bem!
Porto, Ambar, 2003