O porquinho dorminhoco

O porquinho dorminhoco

Era uma vez um porquinho muito dorminhoco.

Fosse pelo que fosse, não conseguia levantar-se de manhã. Todos os seus amigos da quinta lhe falavam da beleza da manhã e lhe explicavam o que estava a perder, mas não adiantava nada.

Não era capaz de sair da cama!

De manhã; o primeiro animal a acordar era o Galo. Voava para cima da casa do porquinho e cantava

Có Có Ró Có Có!

cinco vezes para ter a certeza de que todos o ouviam. Todos os outros animais SALTAVAM imediatamente da cama. Mas o porquinho… continuava a dormir.

Quando o sol se levantava, a Ovelha e a Vaca trotavam pelo prado onde as gotas do orvalho brilhavam na erva, tornando-a doce e boa para comer.

O pato corria para o lago, metia um pé na água e sorria ao ver os primeiros reflexos do dia na superfície da água.

A Galinha corria toda satisfeita pelo terreiro, cacarejando, bicando e arranhando a palha – depois sentava-se…

Tinha posto um ENORME ovo branco!

Ninguém queria perder a manhã. Excepto o porquinho. Todos os dias era a mesma coisa.

O Galo chamava:

Levanta-te, Dorminhoco!”

O Porquinho abria a boca e BOCEJAVA!

Por fim, lá se levantava e corria para o prado.

“Quem é que está a devorar a erva toda?”, resmungava.

O Porquinho corria para o lago. “Quem é que agitou a água e a tornou lamacenta?”, resfolegava.

Corria para a quinta. “Quem é que pôs este ovo na minha palha limpinha?”, grunhia.

Era a mesma coisa todos os dias. Quando o Porquinho se levantava, já toda a erva tenrinha tinha sido comida, já não havia água limpa no lago nem palha limpa no terreiro, para ele se deitar.

“Só há uma coisa a fazer”, suspirou o Porquinho. “Tenho de levantar-me à mesma hora que os outros.”

Nessa noite, o Porquinho foi para a cama a horas. E, para ter a certeza que acordava ao cantar do Galo, o Porquinho pôs o despertador pela primeira vez na vida.

O novo dia amanheceu.

Trrim… Trrim…

…tocou o despertador do Porquinho.

O Porquinho acordou!

Ficou surpreendido por ver como me sabia bem acordar a horas, para variar. Pôs-se a ver se ouvia o Galo. Mas só escutava o silêncio. Olhou para o céu e viu que o sol estava a começar a levantar-se.

O Porquinho correu para o prado e comeu a erva tenrinha antes de o sol secar o orvalho.

Era a erva mais gostosa que comera em toda a sua vida.

O Porquinho correu para o lago e admirou o seu reflexo na água espelhada e límpida.

E bebeu… bebeu… bebeu.

E então ouviu o canto do Galo!

Voltou a correr para a quinta…

“Quem é que comeu toda a erva fresquinha?” mugiu a Vaca.

“Quem é que bebeu a água toda do lago?”, grasnou o Pato.

“Vejam se adivinham!”, riu-se o Porquinho.

E daí em diante nunca mais ninguém o voltou a acusar de ser dorminhoco!

 

John Malam

O porquinho dorminhoco

Porto, Ambar, 2001

Texto adaptado

3 thoughts on “O porquinho dorminhoco

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s